Category: Europa


O site Lonely Planet divulgou a lista com os  melhores destinos para visitar em 2017. Eles estão divididos em quatro categorias: melhores cidades, melhores regiões, melhores países e destinos mais em conta.

Abaixo separamos 4 dos mais em conta pra você começar a planejar a sua próxima viagem!

  1. Nepal

O Nepal continua sendo uma boa escolha para viajantes que curtem uma boa aventura. Com algumas das melhores rotas de trekking mundialmente famosas nas montanhas poderosas do Nepal, o número de visitantes está se recuperando lentamente, após terremotos que atingiram a região. Onde quer que você vá, receberá uma recepção calorosa da população.nepal

  1. Porto, Portugal

Uma cidade europeia que ainda consegue se manter fora do radar de destinos mais procurados por viajantes de todo mundo. A cidade conta com acomodações, alimentação e atrações turísticas com valores acessíveis, além de opções como uma boa caminhada às margens do rio para apreciar a beleza da paisagem. porto

  1. Marrocos

Simplesmente não há qualquer lugar da Europa Ocidental que continua tão emocionante. Marraquexe tem mais opções de acomodação do que nunca, e continua atraindo multidões para apreciar a sua mistura de cidade frenética e, ao mesmo tempo amigável. Outra opção em conta é a cidade portuária de Tânger.marrocos

  1. Rússia

Com taxas de câmbio tentadoras contra outras moedas, não é surpreendente que o número de visitantes para a Rússia esteja aumentando. Com o país mais acessível, trens e rotas aéreas têm taxas atraentes e permitem visitar diversos lugares. Uma ótima oportunidade para conhecer o país que vai sediar a Copa do Mundo em 2018.

russia

Os grandes museus nos levam a uma maravilhosa viagem pelo tempo e promovem um encontro inesquecível com cultura e história. Com suas obras de arte famosas e coleções inéditas, atraem turistas do mundo todo e são locais levados em consideração na hora de escolher o destino da próxima viagem.

Abaixo listamos os 10 museus mais visitados do mundo, de acordo com a classificação da TEA (Themed Entertainment Association), pra você conhecer e, quem sabe, incluir na sua lista de lugares para visitar.

10 – Tate Modern – Londres, Inglaterra

A fundação do Tate Modern foi no fim do século 19 por Henry Tate, empresário. A coleção engloba mais de 70 mil itens, com obras de arte contemporânea internacional e moderna.

museu-tate-modern

9 – Museu Americano de História Natural – Nova York, Estados Unidos

A localização é em frente ao Central Park, no coração da cidade Nova York, e é popular em especial pela sua coleção de fósseis de dinossauros que atraem milhões visitantes todos os anos.

Museu-Americano-de-Historia-Natural

8 – Museu de História Natural – Londres, Inglaterra

A inauguração do Museu de História Natural de Londres aconteceu em 1881, partindo da doação da coleção pessoal do Sir Hans Sloane, no ano 1753. Atualmente, o museu contém acervo de mais de 70 milhões de espécies de animais, insetos, fósseis e plantas.

Museu-de-Historia-Natural-londres

7 – Museus Vaticanos – Vaticano

Na decisão do Papa Julio II de expor uma coleção de esculturas no início do século 16, o mesmo não tinha noção de que estava criando um dos maiores acervos de cultura do mundo.

museus-vaticanos

6 – National Gallery – Londres, Inglaterra

A localização do National Gallery é em Trafalgar Square, coração de Londres, e possui uma coleção que reúne mais de 2.300 obras de pintores europeus de séculos 13 a 19.

galeria-nacional-de-londres

5 – Metropolitan Museum of Art – Nova York, Estados Unidos

Idealizado no século 19 com objetivo de contribuir com a educação nos Estados Unidos, o museu possui mais de 2 milhões de obras no acervo próprio, com milhares delas em exposição de forma permanente, além de mostras temporárias.

Metropolitan-Museum-of-Art

4 – Museu Britânico – Londres, Inglaterra

O Museu Britânico surgiu em meados do século 18, partindo do acervo de um destacado colecionador, com permanência aberta desde então. A coleção fixa do museu possui peças históricas de valor incalculável como os frisos do Partenon de Atenas e a Pedra de Roseta.

Museu-Britanico

3 – Museu Nacional da China – Pequim, China

Fundado em 2003 pela fusão do Museu da Revolução Chinesa e do Museu Nacional de História Chinesa. Possui uma coleção permanente de 1.050.000 itens, com muitos artefatos preciosos e raros da dinastia Shan, Qing e Song que contam a história da China.

museu-nacional-da-china

2 – Museu Nacional de História Natural – Washington, Estados Unidos

O Museu Nacional de História Natural, localizado em Washington, tem uma coleção que reúne mais de 126 milhões de espécies e objetos relacionados às ciências naturais do mundo inteiro.

Museu-Nacional-de-Historia-Natural-Washington

1 – Louvre – Paris, França

Antes de ser o museu mais famoso e mais visitado do planeta, com impressionante acervo que inclui obras como a Mona Lisa, o Louvre representava uma fortaleza de construção no século 12, para proteção de Paris, e posteriormente, um palácio da realeza francesa. Atualmente, as modernas pirâmides de vidro são contrastantes com o edifício histórico, e são importantes como porta de entrada para um dos mais incríveis acervos de arte, cultura e história do mundo.

museu-do-louvre-paris

Abreviações e gírias em inglês

20060524121309990008Assim como no português, as abreviações de palavras, frases e expressões em inglês são muito comuns entre os nativos e fluentes nos chats e apps de mensagem instantânea.

As formas curtas facilitam e agilizam as conversas, mas para quem não está acostumado, pode ser um pouco mais difícil entender esse tipo de expressão em inglês, principalmente, nas conversas informais, como na internet. Mas, calma! Nós reunimos abaixo algumas das mais utilizadas para ajudar você!

?4U: “(I have a) question for you” / Tenho uma questão para você.

2: “To” ou “too”, como em “me 2” / Eu também.

2MI: “Too much information” / Informação demais.

4: “For”, como em “it’s 4 you” / Isto é pra você.

AFK: “(I’m) away from keyboard” / Fora do teclado (ausente).

AKA: “Also known as” / Conhecido como.

ASAP: “As soon as possible” / Assim que possível.

AYT: “Are you there?” / Você está aí?

BBL: “(I’ll) be back later” / Volto mais tarde.

BBS: “(I’ll) be back soon” / Volto logo.

BFF: “Best friend (s) forever” / Melhores amigos(as) para sempre.

BRB: “(I’ll) be right back” / Já volto.

BTW: “By the way” / A propósito.

CUL ou SYL: “See you later” / Vejo você mais tarde.

DIY: “Do it yourself” / Faça você mesmo (o mesmo que tutorial).

FYI: “For your information” / Para seu conhecimento.

G2G: “(I’ve) got to go” / Eu tenho que ir.

IDK: “I don’t know” / Eu não sei.

LOL: “Laugh out loud” / Rindo alto.

OMG: “Oh my God” / Meu Deus.

ORLY: “Oh really?” / Verdade? (muitas vezes, expressão usada para ironia).

Plz ou pls: “Please” / Por favor.

Ppl: “People” / Pessoas ou gente.

ROFL: “Rolling on the floor laughing” / Rolando no chão de rir.

Sup ou Zup: “What’s up?” / Como vai?

Tks: “Thanks” / Obrigado.

U: “You” / Você.

XO: “Hugs and kisses” / Abraços e beijos.

7724961_P9vbzAqui na Up, estamos sempre incentivando nossos alunos a praticarem fora da sala de aula o idioma que estão aprendendo.

Músicas, filmes, seriados e livros são apenas algumas das ferramentas disponíveis para complementar o aprendizado, oportunizar a prática dos idiomas nas horas vagas e unir as lições aos momentos de lazer.

Assim, o vocabulário é mais facilmente fixado, as regras gramaticais são assimiladas mais rapidamente e tudo isso faz com que o aprendizado se torne mais divertido e interessante.

Hoje a nossa dica é especial para aqueles alunos que curtem estar sempre bem informados.

No site Cover Times, as capas dos principais jornais de nove países ficam à disposição dos internautas. É só escolher o jornal e ver as principais notícias do dia.

Essa é uma forma muito eficaz de praticar a leitura, enriquecer o vocabulário com expressões utilizadas no dia a dia e ainda se manter informado sobre o que está acontecendo no mundo.

Ótimo para se manter atualizado e maravilhoso para complementar o aprendizado da sala de aula!

Música e eduação!

O blog segue no clima musical da última postagem. Dia 22 de novembro é o dia da música. Aproveitando a data, falaremos um pouco sobre o uso dela como ferramenta de ensino.

love-and-music1

A música nos afeta de diversas formas. Ela pode nos deixar mais tranquilos, mais agitados, nos fazer refletir, nos deixar mais concentrados. Pode nos fazer querer dançar e pode, até mesmo, nos fazer chorar. É claro que isso varia de pessoa para pessoa. Alguns indivíduos tem seu emocional mais influenciado pela música, para outros ela não exerce tanta influência.

Porém, é certo que o uso de canções para a educação é uma ótima atividade. Como a música mexe com nossos sentimentos e emoções, ela estimula os processos cognitivos, fazendo com que as informações sejam assimiladas e apreendidas mais rapidamente. A publicidade sabe disso muito bem. Quantos jingles (canções criadas para comerciais e produtos) somos capazes de lembrar com uma rápida busca na memória? Outra prova da capacidade da música de fixar informações em nosso cérebro, é aquela letra que, por vezes, fica o dia inteiro em nossa mente após uma única audição no rádio ou na TV.

ensino-musica-450x322

Em sala de aula, o uso da música ainda taz outras vantagens. Ela torna a aula mais dinâmica, mais interessante e prende a atenção dos estudantes. Pesquisas revelam que, no ensino infantil, a música ajuda os alunos a manterem o foco na atividade, evitando que fiquem dispersos ou agitados. Da mesma forma, quando a turma está pouco participativa, a música pode ser utilizada como motivador, estimulando o envolvimento de todos na atividade.

No ensino de idiomas essa relação entre música e aprendizado é ainda mais efetiva. Ao levar uma canção para a sala de aula, o professor, além de se valer de todos os benefícios já citados, tem a possibilidade de trabalhar a interpretação e significados da letra, a compreensão auditiva e a pronuncia correta dos termos.

Se você está estudando uma nova língua, procure músicas que você goste nesse idioma. Coloque-as em seus playlists. Isso aumentará seu contato com o idioma e refletirá em sua compreensão auditiva e em sua pronuncia. Você irá, naturalmente, familiarizando-se com os novos fonemas da língua que está estudando.

Dia da música

Para aprofundar-se no assunto:

http://hdl.handle.net/10183/3066

http://pt.scribd.com/doc/9610683/Artigo-A-influencia-da-musica-no-ensino-da-lingua-inglesa

http://www.abrapui.org/anais/PosteresLingua/3.pdf

http://www.planetaeducacao.com.br/portal/artigo.asp?artigo=1483

A Backparker, uma empresa brasileira dedicada à produção de jogos eletrônicos para prática de idiomas, lançou recentemente o Feel The Music. Um game em que o jogador exercita a interpretação auditiva e a leitura da língua inglesa.

O jogo possibilita aos usuários o exercício do idioma de forma relaxante e descontraída, enquanto curte as suas músicas preferidas. É possível jogar sozinho ou desafiar os seus amigos para ver quem está “mais afinado” no inglês. São mais de 400 músicas que rodam em vídeos do youtube. A música vai rolando e legendas com a letra vão sendo exibidas em sincronia com o áudio. De repente, a legenda aparece com um espaço para completar e são apresentadas três opções para usuário escolher a expressão correta cantada pelo artista.

Imagem Feel The Music

Imagem Feel The Music

Para criação do Feel The Music, os desenvolvedores orientaram-se pelo European Framework for Language References (Quadro Comum Europeu de Referências para Línguas, em livre tradução) – um guia padrão para ensino e aprendizado de idiomas. Ele indica os conteúdos que  os estudantes devem dominar em diferentes níveis de conhecimento de cada língua.

São inúmeros artistas já disponibilizados no game. A lista vai de Beatles a Beyonce, passando pelos mais diversos estilos musicais. As canções são agrupadas de acordo com o nível de dificuldade. Ao todo, são 99 níveis diferentes. Para passar para os grupos de músicas de níveis mais complexos, o jogador precisa ir pontuando nos níveis iniciais para desbloquear os mais avançados.

Praticque o seu inglês e divirta-se com o Feel The Music pelo link – http://www.backpacker.com.br/FTM

Leia mais:
https://porvir.catracalivre.com.br/ferramentas/aprenda-ingles-com-suas-musicas-preferidas/
http://porvir.org/porcriar/jogo-on-line-ajuda-aprender-ingles-musicas/20140918

É comum ouvirmos que criança tem mais facilidade para aprender que adulto. Em relação ao aprendizado de um segundo idioma, não é diferente. Parece ser senso comum que “quanto mais novo, melhor se aprende”.  Mas será que isso é verdade?  Especialistas afirmam que sim!  

Na infância, o cérebro humano encontra-se em um momento de seu desenvolvimento em que está dedicado a compreender novas experiências, interpretar e interagir com o mundo. Por isso, tudo que é assimilado, nessa fase da vida, tende a permanecer vivo na memória. Assim, o contato com o inglês nos primeiros anos de vida, nesse momento em que nossa mente está “aprendendo a ler o mundo”, vai se refletir e um adulto que interpreta e fala o segundo idioma de forma muito mais natural.

O que talvez seja novidade para muitos é que o ensino infantil de inglês é excelente para o desenvolvimento intelectual e estimula processos cognitivos que vão além do aprendizado da nova língua diretamente. O processo de aprendizado de inglês na infância traz diversos benefícios, melhora a fala e articulação das palavras, estimula a percepção auditiva, colabora na estruturação do pensamento e, inclusive, estimula a compreensão do português.

Confira AQUI 10 benefícios que o aprendizado de inglês na infância traz para o aluno.

image

Alunos Up Idiomas e a teacher Miriane

O ensino infantil de inglês, principalmente para crianças com idade inferior a 7 anos, deve ser prazeroso e divertido, por meio de atividades lúdicas,  para que não se torne uma tarefa estressante para os pequenos.  

image

Alunos Up Idiomas fazendo experiência com a cores primárias

Traga seu filho para a Up idiomas e conheça nossa metodologia de ensino infantil.   

Leia mais:

http://redeglobo.globo.com/globoeducacao/noticia/2013/09/criancas-tem-facilidade-em-aprender-uma-nova-lingua-mito-ou-realidade.html

http://g1.globo.com/minas-gerais/triangulo-mineiro/noticia/2012/04/crianca-deve-aprender-outra-lingua-ainda-na-infancia-diz-pedagoga.html

http://www.influx.com.br/blog/2014/06/30/ingles-na-infancia-qual-e-a-melhor-idade-para-comecar-a-estudar-ingles/#.VDkpZRb_DXp

http://languageinlife.com.br/noticias/10-beneficios-para-criancas-que-aprendem-uma-2a-lingua-na-infancia/

Dia Mundial do Tradutor

No dia 30 de setembro, comemora-se o Dia Mundial do Tradutor. A atividade da tradução foi, e certamente ainda é, fundamental para o desenvolvimento cultural e cientifico da humanidade, tornando fácil e acessível aos mais diferentes povos e culturas a troca de informação e conhecimento.

Apesar de muitas vezes a atuação do profissional de tradução passar despercebida, sem ele, nem mesmo o maiores escritores do mundo seriam o que são. São os tradutores que possibilitam a disseminação mundial das grandes obras da literatura. Tornando compreensível em todo o mundo uma obra escrita orginalmente em apenas um idioma, ou ainda em uma língua antiga ou morta.

Sobre a importância do trabalho dos tradutores, José Saramago escreveu: “Os autores escrevem as suas respectivas literaturas nacionais, mas a literatura mundial é obra dos tradutores.”

Além de simplesmente passar palavras de um idioma para o outro, o tradutor tem a grande responsabilidade de interpretar e manter a intenção do autor. Para isso, é preciso adaptar termos e expressões idiomáticas mantendo-se fiel a mensagem original, mesmo expressando-se em outra língua. O que, definitivamente, não é tarefa fácil e exige grande comprometimento.

De acordo com a Bíblia a Torre de Babel, foi criada com o objetivo de alcançar o Céu. Naquela época o mundo so tinha um idioma e todas as pessoas podiam se comunicar sem nenhum problema, então Deus criou diferentes idiomas e fez com que os construtores começassem a falar línguas diferentes e não pudessem mais se comunicar facilmente, criando assim uma grande confusão que fez com que a torre nunca fosse terminada. Assim os idiomas foram criados. Fonte: http://curiosomundo.com.br/torre-de-babel-lenda-ou-realidade/

De acordo com a Bíblia a Torre de Babel, foi criada com o objetivo de alcançar o Céu. Naquela época o mundo so tinha um idioma e todas as pessoas podiam se comunicar sem nenhum problema, então Deus criou diferentes idiomas e fez com que os construtores começassem a falar línguas diferentes e não pudessem mais se comunicar facilmente, criando assim uma grande confusão que fez com que a torre nunca fosse terminada. Assim os idiomas foram criados.
Fonte: http://curiosomundo.com.br/torre-de-babel-lenda-ou-realidade/

Saindo do campo puramente literário, o trabalho dos tradutores também está presente em nosso cotidiano. Já pensou, por exemplo, a dificuldade que seria compreender a trama de um filme rodado em um idioma que você não domina se não houvesse legendas. Ou então, dominar o uso daquele dispositivo eletrônico japonês de última geração se o manual não viesse em vários idiomas?

O Dia Mundial dos Tradutores foi criado, em 1991, pela Federação Internacional de Tradutores. O 30 de setembro foi a data escolhida, pois foi o dia em que faleceu São Jerônimo, considerado o responsável por traduzir a bíblia para o hebraico. Originalmente, o livro mais conhecido do mundo foi escrito em grego antigo. São Jerônimo é também o padroeiro dos tradutores.

Hoje, dia 26 de setembro, a União Europeia comemora o Dia Europeu das Línguas – que é considerada uma data “coirmã” do Dia Mundial do Tradutor.

Na última segunda-feira (25), realizou-se a cerimônia do Emmy Awards 2014, que premiou o melhor da televisão em língua inglesa do mundo.
Neste ano, as séries que foram consagradas foram Breaking Bad, com 5 prêmios (incluindo o de Melhor Série Dramática, Melhor Ator, Melhor Ator Coadjuvante e Melhor Atriz Coadjuvante); Modern Family, vencedora em 3 categorias; e American Horror Story: Coven e Sherlock: His Last Vow, com dois prêmios cada.

A qualidade dos programas premiados vem ao encontro da ideia de que a televisão reúne os melhores profissionais do ramo do entretenimento da atualidade e vem aos poucos ocupando o lugar de destaque no showbusiness, que até então pertencia ao cinema.

No entanto, cada país costuma ter seu próprio show queridinho. Você arriscaria dizer quais são os programas televisivos mais vistos na Espanha, Reino Unido, França, Alemanha e Itália?

O jornal espanhol El País publicou um estudo que revela a preferência do público de cada país. Confira na lista abaixo:

 

Espanha

???????????????????????????

 

Os espanhóis têm gostos bem definidos, quando se trata de televisão: música e culinária. Na lista dos programas mais vistos, figuram quatro reality shows: Top Chef e MasterChef, onde os participantes competem pelo título de melhor chef de culinária, e a versão espanhola do The Voice, reality que lança novos talentos da música, juntamente com e Tu Cara Me Suena, em que famosos têm que se caracterizar e interpretar canções famosas, imitando ídolos da música.

 

Reino Unido

Strictly-Come-Dancing-Launch-Show

Os britânicos também adoram reality shows com música. Não à toa, The X Factor e Strictly Come Dancing (um formato parecido ao do Dança dos Famosos) ocupam o topo do ranking.

 

França

the-mentalist-the-mentalist-8522362-1280-800

Os franceses, por sua vez, adoram séries de crimes. O estudo aponta que, embora o país tenha uma grande produção televisiva própria, as séries estadunidenses The Mentalist e Criminal Minds são os programas que mais prendem os franceses em frente à televisão.

 

Alemanha

B_1208_Tatort_Titel_Montage

Os alemães têm gostos bem parecidos com os franceses, quando se fala em TV: as séries policiais. No entanto, o show mais visto é série Tatort, uma co-produção entre Alemanha, Suíça e Áustria.

 

Itália

michele_santoro_servizio_pubblico

Os italianos são os que têm o gosto mais diferente, se comparados aos seus vizinhos de Europa. Os programas mais vistos não são nem reality shows nem séries, e sim talk shows de cunho político, tais como Servizio Pubblico e Ballarò.

 

Extra: EUA

superbowl-xlvii-at-metlife-stadium_original1

Nenhum país acompanha com tanto fervor os índices de audiência como os Estados Unidos, o maior produtor de entretenimento do mundo. As oscilações de público podem ser determinantes para o futuro de cada show. Entre as séries, The Big Bang Theory continua sendo a mais assistida, com uma média de 19.96 milhões de telespectadores. O evento mais assistido, no entanto, continua sendo o Super Bowl, o jogo da final da principal liga de futebol americano do país. No intervalo do jogo, sempre há a apresentação de uma superestrela, o que atrai a audiência de uma parcela ainda maior de público. A Super Bowl de 2014 bateu recordes de audiência na televisão estadunidense, tendo sido assistido por uma média de 111,5 milhões de pessoas, que viram a vitória do Seattle Seahawks sobre o Denver Broncos e o show de Bruno Mars.

Na semana em que se comemora o Dia da Fotografia e do Fotógrafo, nada melhor do que relembrar algumas das mais famosas fotos do mundo e conhecer um pouco da história por trás desses cliques!

Albert Einstein mostrando a língua

Einstein-Frank-Aydelotte-and-wife-3

A foto mais famosa do físico alemão foi tirada em 14 de março de 1951, em uma festa em comemoração ao seu aniversário de 72 anos, em Princeton, EUA. O fotógrafo Arthur Sasse flagrou o momento em que o cientista, cansado de sorrir o dia inteiro para as câmeras, resolveu mostrar a língua para os repórteres. Einstein gostou tanto da foto que mandou recortar seu rosto da imagem original e enviou como “cartão postal” para seus amigos.

 

Foto Icônica de Che Guevara

CheHigh

Outro personagem histórico que tem seu rosto rapidamente associado a uma única fotografia é o guerrilheiro argentino Che Guevara. A foto original data de 5 de março de 1960, e foi retirada durante um discurso de Fidel Castro em Havana, pelo seu fotógrafo oficial Alberto Korda. A imagem, no entanto, demorou para se tornar famosa. Isso só veio a acontecer após 1967, quando o editor italiano Giangiacomo Feltrinelli espalhou a foto pela Bolívia, logo após o anúncio da morte de Che. Desde então, a imagem recebeu várias releituras, inclusive de artistas como Andy Warhol, e se tornou a foto mais reproduzida da história.

A Menina Afegã

8C9348306-TODAY-afghan-girl-steve-mccurry-131011-combo.blocks_desktop_large
Ao contrário de Einstein e Che, há figuras que são anônimas até serem fotografadas. É o caso de Sharbat Gula, a Menina Afegã. A foto de Steve McCurry que estampou a capa da revista National Geographic em junho de 1985 foi tirada em um campo de refugiados afegãos no Paquistão, que fugiam de seu país após os bombardeios dos soviéticos. A imagem tornou-se emblemática pela sua expressividade e por mostrar o rosto de uma mulher afegã, que na época eram obrigadas pela lei islâmica a usar burca. A identidade de Gula, no entanto, ficou desconhecida por mais de 15 anos. Ela só foi identificada em 2002, e havia volta a viver no Afeganistão, e já casada e mãe de quatro filhos. Gula afirma que aquela foi a única foto que haviam tirado dela em toda a sua vida, e que não fazia a menor ideia do impacto que a sua imagem teve no mundo ocidental.

 

Trabalhadores comendo em uma viga

10054461uf0
Onze operários sentados tranquilamente em uma viga de aço da construção do edifício RCA, no Rockefeller Center, em New York, almoçando a 256 metros de altura, sem qualquer equipamento de segurança. A foto, datada de 20 de setembro de 1932, sempre foi cercada de polêmicas. Primeiramente, duvidaram de sua veracidade, acusando a foto de ser montagem. Investigações recentes, no entanto, mostraram que a foto é real, mas… foi armada. Cada operário foi cuidadosamente colocado ali para que diversas fotos fossem tiradas. O objetivo? Um golpe de marketing, visto que as fotos foram publicadas no New York Herald Tribune, naquele mesmo ano, para exaltar a imponência da construção. Por ter sido armada, diversos fotógrafos estavam no local no momento, então até hoje a autoria da foto continua controversa.

 

A autoimolação do monge budista

???????????????????????

Ganhadora do prêmio Pulitzer e considerada uma das imagens mais emblemáticas do século XX, a foto da imolação do monge budista foi tirada no dia 11 de Junho de 1963. O fotógrafo Malcolm Browne fora avisado com antecedência de um “grande evento” que ocorreria em uma praça de Saigon, no Vietnã do Sul, em protesto contra a intolerância religiosa do governo de Ngo Dinh Diem, porém não imaginava o que ocorreria. O monge Thích Quảng Ðức jogou combustível sobre o corpo e ateou fogo, permanecendo imóvel até ser totalmente consumido. Apenas seu coração permaneceu intacto, aumentando ainda mais o impacto da história, que correu o mundo no mesmo ano e foi considerada ponto de partida para a mudança de regime no Vietnã.